O que está por vir com o novo coronavírus?

O novo coronavírus (SARS-CoV-2) que emergiu da China em dezembro de 2019 é um patógeno altamente infeccioso com potencial para sobrecarregar rapidamente os sistemas de saúde e infligir mortalidade substancial em todo o mundo.

Uma vacina eficaz para esse vírus está em desenvolvimento e, embora se mova rapidamente, não estará disponível para proteger os mais vulneráveis ​​por mais um ano. A taxa média de mortalidade por casos deste vírus foi estimada em pelo menos 1% , mas espera-se que essa estimativa varie geograficamente em função da capacidade de assistência à saúde, da saúde básica da população e de outros fatores sociodemográficos.

Uma equipe de pesquisadores chineses identificou dois tipos principais de coronavírus Sars-CoV-2, responsáveis ​​pelo Covid-19. A segunda variante, mais adequada à população humana, seria mais contagiosa e mais virulenta. Não há razão para se preocupar com os cientistas, no entanto, que ainda estão trabalhando em uma vacina.

A cada ano, o vírus da gripe é diferente, o que significa que uma nova vacina deve ser desenvolvida para levar em conta as mutações sofridas pelo vírus.

Um número crescente de nações está implementando estratégias abrangentes de distanciamento social, que vão desde o fechamento de escolas e cancelamento de grandes reuniões públicas, até a ordenação de quarentenas em cidades inteiras. Embora seja difícil prever o curso de um vírus pandêmico, vale a pena discutir a trajetória futura potencial do vírus, pelo menos antes que uma vacina se torne disponível, e tirar lições de lições de eventos pandêmicos passados ​​à luz da capacidade do vírus de sobreviver sob diferentes condições ambientais. Estratégias de distanciamento social podem ter um impacto profundo na taxa de transmissão do vírus. No entanto, o efeito líquido dessas intervenções na taxa de transmissão dependerá do escopo das intervenções de distanciamento social, bem como de quanto tempo essas intervenções poderão ser sustentadas.

No contexto de um vírus pandêmico com potencial para gerar surtos explosivos em ambientes confinados, talvez seja necessário manter intervenções de distanciamento social por períodos mais longos, por meio de esforços remotos de aprendizado e teletrabalho, a fim de retardar significativamente a propagação do vírus. Isso é particularmente relevante para países onde a verdadeira magnitude da epidemia ainda não foi totalmente elucidada, à medida que as estratégias de teste em massa aumentam.

De acordo com a equipe de pesquisa chinesa, que publicou seu trabalho em 3 de março na revista National Science Review, o coronavírus é dividido em dois tipos, L e S, que são diferenciados por seus receptores de superfície, pelos quais os vírus se ligam. e entre nas células humanas. O tipo S, na origem da epidemia , seria gradualmente substituído pelo tipo L, que se adaptaria à espécie humana, tornando-se mais virulento e mais contagioso . Este último teria ganho vantagem no tipo S desde janeiro de 2020, pois a pressão seletiva aumentou no tipo S. Atualmente, o tipo L representa 70% dos casos contra 30% para a cepa S No entanto, este último está em ressurgimento, porque, causando sintomas menos graves, é menos bem identificado. Essa característica polimórfica do SARS-CoV-2 faz-se entender que esse vírus deve estar em constante pesquisa, como ocorre com o Influenza, sendo então necessário vacinas anuais e inclusão da cultura higiênica como lavar as mãos e evitar tocar com as mãos no rosto.

Fatores ambientais estão em estudo, sabe-se hoje que quanto menor é a umidade, maior é a sobrevivência do vírus, assim como quando temos maior temperatura, menor é a sobrevivência desse vírus.

Precisamos entender que teremos uma nova realidade, e precisamos estar prontos para o que está por vir.

Loading